Como coordenar milhares de voos, passageiros e bagagens sem confusão?
- Anúncios -
Compartilhe:

Igual ao que ocorre com pessoas, há dois tipos de empresas: as que aparecem muito mas fazem pouco, e as que fazem muito mas aparecem pouco. No transporte aéreo também é assim.

Pouca gente ouviu falar na SITA. Como a Intel faz pela computação, esta empresa tem presença vital, embora invisível, para o público, com suas tecnologias de conexão e segurança em todas etapas da aviação.  

Quiosques de autoserviço nos aeroportos aniquilaram as filas do check-in

Quiosques de autoatendimento que usamos nos aeroportos, despacho e acompanhamento de bagagens até o destino, comunicação dentro das aeronaves e com terra, são alguns de seus produtos conhecidos.

O passageiro não vê o que está por trás dos processos. Mas é graças a eles que, por exemplo, hoje é possível escapar das filas longas e demoradas de antes nos aeroportos na hora do check-in, substituídas por totens de autoatendimento. Ou o passageiro etiquetar e despachar suas próprias malas. Ou ainda acompanhar o percurso até a entrega na esteira do aeroporto do destino. E isto com menores índices de extravio.

Fundada em Paris em 1949 por 11 companhias aéreas, o nome da empresa nasceu da sigla “Sociedade Internacional de Telecomunicações Aeronáuticas”. Com sede em Genebra, opera em 200 países. Os clientes são não só as companhias aéreas, mas também aeroportos, serviços de apoio, e governos. O escopo de atuação é ambicioso. Vai de infraestrutura e comunicações, terminais aéreos, governos, conectividade ar e terra, gerenciamento de cargas, até tarifas e receitas da aviação.

Para uma bagagem chegar ao destino sem se extraviar, só há dois caminhos: tecnologia ou milagre

Praticamente todas as companhias aéreas do mundo usam  tecnologias da SITA, em constante evolução. Mas como a empresa faz para manter-se atualizada em relação aos desafios sucessivos da aviação? Afinal, por ter se tornado transporte de massa, a atividade que no passado era para poucos depende agora da tecnologia para atender volumes gigantescos e crescentes de passageiros e aeronaves.

Isto ocorre em duas frentes.

Nos bastidores dos aeroportos, longe dos olhos dos passageiro, acontece o milagre da tecnologia

A primeira é através de pesquisas periódicas que monitoram tendências de aeroportos e companhias aéreas. E, em especial o passageiro, no que que se refere ao seu comportamento e satisfação. Pesquisa de 2017 para avaliar o grau de adoção de novas tecnologias na aviação indicou que 87% dos viajantes já reservam seus voos diretamente na internet. Revelou também que 54% dos entrevistados faz check-in por conta própria. Por outro lado, indicou que não mais que 18% ainda dependem do agente no aeroporto para check-in das malas.

A segunda frente da empresa é seu laboratório. Criado em 2008, desenvolve novos produtos e ideias, buscando combinar inovação e tecnologias de ponta. Nesta incubadora e aplicações de campo nascem e são testados projetos podem um dia virar padrão de mercado. Como o embarque nos voos da Virgin Atlantic com o uso do Google Glass para reconhecimento facial. Ou o smart watch que permite maior agilidade de informações aos agentes do aeroporto de Quebec, Canadá.

Um amigável robô recebe as malas direto dos passageiros no aeroporto de Genebra e cuida de todo o despacho

Há, entre outros, uma extensa rede de beacons instalados pelo aeroporto de Miami. Ou então cartões de embarque com tecnologia NFC (permite o uso do dispositivo mesmo sem bateria) pela Air France e KLM. Ou aplicações com o uso de realidade aumentada, drones para identificar objetos estranhos ou aves perto de aeroportos. E também robôs para movimentação de carga e estacionamento. Ou materializados em quiosques de autosserviço que se locomovem a diferentes áreas conforme surgem demandas.

Este é um caminho sem volta. Estudos da SITA demonstram que o uso de tecnologias nas várias etapas da viagem traz maior satisfação ao usuário. No entanto, os novos modelos não vão funcionar por mágica. Além de investimentos, exigem maior integração entre companhias aéreas e aeroportos.

E o mais importante; pressupõe maior transparência ao consumidor. Isto significa compartilhar com o passageiro até eventuais falhas técnicas, sejam graves ou não. Não há mais lugar para “caixas pretas” operacionais, que ainda persistem ou por tabu, ou, quem sabe, para esconder eventuais incompetências.

Na aviação cada dia os dispositivos móveis ganham mais funções
Compartilhe:
- Anúncios -
FONTESITA
Artigo anteriorHotel cobrado por minuto? Demorou!
Próximo artigoCIRQUE DU SOLEIL ADQUIRE BLUE MAN GROUP
Para quem não me conhece, sou Fabio Steinberg, carioca, administrador e jornalista. Trabalhei na área de comunicação de grandes multinacionais, e depois por conta própria como consultor. Um dia achei que estava na hora de me concentrar em escrever. Entre matérias jornalísticas e colunas, já falei sobre viagens e negócios, carreiras e comportamento, fiz resenha de livros e sempre que posso sobre tecnologia e como ela afeta o comportamento das pessoas. Ah, sim, também publiquei três livros e tenho um site com os meus principais textos. Até que resolvi juntar as pontas, da experiência profissional à paixão por temas tão fascinantes e diversificados, em um único caldeirão. Foi assim que nasceu este lugar. Através do jornalismo e experiencia pessoal, minha meta é compartilhar aqui idéias e informações. Espero que goste e volte sempre. Dividir este espaço com você e todos que aparecerem por aqui será não só gratificante, mas uma honra! Um abraço, Fabio Steinberg

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here