De qualquer lugar a reserva passa a valer
- Anúncios -
Compartilhe:

Surgiu um aplicativo que tem o potencial de revolucionar a maneira com os hotéis cobram hoje. Já conhecido como Uber da hospedagem, o Recharge permite cobrar hotel por minuto. Ou seja, escolher na hora um estabelecimento 4 a 5 estrelas, e se instalar por curtíssimo prazo,  sem pagar diária cheia por isto.  

Lançado há dois anos na cidade de San Francisco, Estados Unidos, a plataforma chegou a New York. Atende principalmente viajantes de negócios em busca de um ambiente silencioso e confortável, seja para uma soneca, ducha, trabalhar, refeição no quarto, ou usar o fitness, piscina e business center do hotel entre voos ou reuniões. O serviço também ganhou adeptos onde menos esperava: mães em busca de um lugar sossegado para amamentar os filhos.

A tabela de preço por minutos é calculada sobre uma base em torno de 50 dólares a hora. Google e Deloitte fazem parte dos clientes corporativos da Recharge, que atende ainda famílias ou visitantes premium de passagem pela cidade.

O processo é muito simples. Basta escolher o hotel no aplicativo, que imediatamente o quarto fica disponível. Os minutos começam a correr passados 30 minutos de tolerância, ou mediante a entrega das chaves, o que ocorrer primeiro. Não há horário prefixado de saída, que vale ao clicar checkout no dispositivo.

Reserva do hotel começa junto com o clique

O que torna o aplicativo tão interessante para os hotéis? Para começo de conversa, uma renda adicional estimada entre 250 mil e um milhão de dólares por ano. Eis o pulo do gato: mesmo com 100% de ocupação estima-se durante o dia uma ociosidade de 35% dos quartos entre o checkout do hóspede anterior e checkin do próximo.

“Cada minuto nosso vale muito mais que o valor da diária regular”, explica Emmanuel Bamfo, co-fundador e CEO da empresa. Assim, se 24 horas no 1 Hotel Central Park de New York custa 400 dólares, pelo aplicativo, a 80 dólares a hora, o preço final seria $1,920. Há ainda um forte argumento: o tempo médio de estada pelo aplicativo é de só duas horas.

O app é à prova de malandragens por hóspedes mais espertinhos. Assim que aciona o checkout o hóspede é notificado que a arrumadeira está a caminho para limpeza do quarto. Caso ainda esteja lá, terá que pagar uma taxa adicional de ocupação, que pode chegar a 250 dólares.

“A demanda nos pegou de surpresa. Não esperávamos resultados tão bons”, comenta Michael Baier, gerente geral do hotel Stanford Court, de San Francisco.

Cobrar hotel por hora não chega a ser uma completa novidade. Outros aplicativos como Dayuse ou Hotelsbyday já existem, mas com foco em lugares mais baratos e dentro de faixas horárias da manhã ou tarde. O que torna o Recharge diferente é pode ser acionado a qualquer momento e por quantos minutos quiser.

O trio do Recharge: Will Johnson, Emmanuel Bamfo e Chris Lo

Bamfo não considera os apps existentes como seus concorrentes, e sim cafeterias tipo Starbucks ou escritórios virtuais iguais ao Regus. São opções para quem quer fazer algum trabalho, reunião, ou relaxar por curto tempo. Só que nenhum deles oferece privacidade e amenidades como hotéis.

O novo app segue o mesmo espírito da economia colaborativa, que é tornar produtivos quartos vazios (ou “capital morto”) com o apoio da internet. Ou seja, nunca foi tão fácil juntar as pontas de quem tem com quem quer algo.  A ideia deu certo. Já com 75% de clientes frequentes, os gestores fazem planos para cidades como Chicago, Washington e Los Angeles.

Demorou para o “pay per use” ganhar maior popularidade na hotelaria, que ainda se baseia no mesmo modelo obsoleto de diárias dos anos 50. Afinal, nada mais justo do que só gastar pelo que é utilizado, conceito adotado em quase todo setor de serviços, de bagagem de avião a estacionamento de veículos. E, para falar a verdade, até mesmo pela profissão mais antiga do mundo.

Compartilhe:
- Anúncios -
Artigo anteriorAvião virou ônibus com asas?
Próximo artigoA babá invisível da aviação
Para quem não me conhece, sou Fabio Steinberg, carioca, administrador e jornalista. Trabalhei na área de comunicação de grandes multinacionais, e depois por conta própria como consultor. Um dia achei que estava na hora de me concentrar em escrever. Entre matérias jornalísticas e colunas, já falei sobre viagens e negócios, carreiras e comportamento, fiz resenha de livros e sempre que posso sobre tecnologia e como ela afeta o comportamento das pessoas. Ah, sim, também publiquei três livros e tenho um site com os meus principais textos. Até que resolvi juntar as pontas, da experiência profissional à paixão por temas tão fascinantes e diversificados, em um único caldeirão. Foi assim que nasceu este lugar. Através do jornalismo e experiencia pessoal, minha meta é compartilhar aqui idéias e informações. Espero que goste e volte sempre. Dividir este espaço com você e todos que aparecerem por aqui será não só gratificante, mas uma honra! Um abraço, Fabio Steinberg

7 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns Fábio pela nova roupagem. nesse mundo que valoriza mais as aparências do que as essências, um frasco bonito é bem aceito, mesmo que o conteúdo seja pouco agradável, Aqui você juntou todas as coisas boas de um bom jornalismo. Vamos em frente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here