Neste lugar sempre alguém faz alguma coisa e milhares copiam ou só observam
- Anúncios -
Compartilhe:

Times Square, a icônica megapraça no centro New York conhecida no mundo inteiro, tem novas atrações. O local, formado pela confluência de duas grandes avenidas, cruzamentos e esquinas, é considerado o coração da cidade.

De qualquer ângulo luzes, tecnologias e pessoas disputam os olhos do turista
De qualquer ângulo luzes, tecnologias e pessoas disputam os olhos do turista

Em constante evolucão como a própria cidade de New York, Times Square se reinventa a cada momento. Como se não bastassem teatros, restaurantes e atrações existentes, começam a brotar quatro novidades.

A primeira atração da Times Square é o Gulliver’s Gate. Tendo como referência o famoso livro As Viagens de Gulliver, escrito por Jonathan Swift, esta exposição interativa adota avançada tecnologia. Graça a ela, o visitante abandona o mundo real e embarca numa inédita experiência visual.

O mundo replicado em miniatura

A miniaturização de lugares, veículos, pessoas e animais permite até que o próprio visitante, escaneado, tenha versão mirim no cenário. Bairros, cidades, edifícios, monumentos, ruas, e estradas reais ou ficcionais, dos Estados Unidos ou do mundo, se sucedem. Numa travessia mágica, mil trenzinhos puxam 12 mil vagões através de centenas de metros de trilhos.

Cidades brasileiras como o Rio e Brasília também estão presentes

Réplicas em 3D de locais como Times Square, Grand Central Terminal, cenas de Manhattan e de todo o mundo, além de minúsculos carros, barcos, aviões, naves espaciais e até balões se revezam. Para isto, este projeto contou com mais de 100 artistas de 8 países. Instalada em quarteirão com espaço de campo de futebol, o Gulliver’s Gate fica no prédio onde funcionou o jornal New York Times.

Até o final de 2017, a National Geographic inaugura a Ocean Odissey (Odisseia Oceânica). Trata-se de jornada de tirar o fôlego ao fundo do Oceano Pacífico, através de tecnologias de realidade virtual, fotos em alta resolução e telas gigantescas.

Na mostra é possível interagir em tempo real com leões marinhos, brincar com arraias e golfinhos, ou ver-se face a face com baleias, tubarões brancos ou enormes lulas de Humboldt.

A atração da National Geographic combina interação e fotos de alta resolução

Em  5.500 metros quadrados, o visitante pode se aproximar das maravilhas da natureza e das incríveis criaturas que habitam as águas mais profundas e inalcançáveis.

Está também batendo à porta de Times Square este ano o legendário Grand Ole Opry de Nashville. É o mais famoso local de shows de música country. Com quatro andares em espaço de 2.500 metros quadrados, o novo local de entretenimento inclui vários ambientes. Há espaço para música, sala de audição, loja, restaurante, e um lugar para homenagear artistas famosos que se apresentaram no palco original do Tennessee.

Para fãs do futebol americano vem aí o NFL Experience Times Square. De uma parceria entre duas ligas (NFL e NFLPA) e o Cirque du Soleil, nasce uma experiência diferente de imersão. Em 3.700 metros quadrados o projeto inclui um teatro para 350 pessoas, atividades interativas, programas educacionais e as melhores práticas do esporte. Mas não é tudo. Há ainda um restaurante com comidas e bebidas típicas dos estádios e exposição com itens pessoais de famosos jogadores dessa modalidade.

Um monumento impactante lembra a tragédia das torres gêmeas

A evolução da cidade não ocorre só na Times Square. Das cinzas da trágica destruição do WTC, surge um emocionante monumento. Junto, novos empreendimentos, como centro comercial, conjunto de restaurantes sofisticados, e edifício de 103 andares com observatório no topo. Mas a cidade tem também bairros recém-criados e reciclagem dos mais antigos, novos museus, além de outra linha de metrô após 50 anos

Para quem chega a New York, habitué ou marinheiro de primeira viagem, nunca falta o que fazer. E vale a pena bater o ponto na Times Square, onde sempre acontece algo divertido ou vibrante. A maior curtição é se perder naquela bagunça organizada. Afinal, no meio da multidão, é possível encontrar famosos ou fakes, ou só alguém em busca da fama fácil.

Visitar New York sem passar por Times Square e como ir a Roma e não visitar o Coliseu

Texto extraído da matéria NEW YORK, SUPER FÁBRICA DE NOVIDADES, publicada na revista Viagens S.A em julho de 2017, e que pode ser lida na íntegra aqui.

Compartilhe:
- Anúncios -
FONTENYC & Company
Artigo anteriorNew York, a super fábrica de novidades
Próximo artigoCUIDADO AO COMPRAR MOEDAS ESTRANGEIRAS
Para quem não me conhece, sou Fabio Steinberg, carioca, administrador e jornalista. Trabalhei na área de comunicação de grandes multinacionais, e depois por conta própria como consultor. Um dia achei que estava na hora de me concentrar em escrever. Entre matérias jornalísticas e colunas, já falei sobre viagens e negócios, carreiras e comportamento, fiz resenha de livros e sempre que posso sobre tecnologia e como ela afeta o comportamento das pessoas. Ah, sim, também publiquei três livros e tenho um site com os meus principais textos. Até que resolvi juntar as pontas, da experiência profissional à paixão por temas tão fascinantes e diversificados, em um único caldeirão. Foi assim que nasceu este lugar. Através do jornalismo e experiencia pessoal, minha meta é compartilhar aqui idéias e informações. Espero que goste e volte sempre. Dividir este espaço com você e todos que aparecerem por aqui será não só gratificante, mas uma honra! Um abraço, Fabio Steinberg

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here