Thomas Cook: Um grito de alerta
19 de novembro de 2019
Salvador da Bahia: o retorno do guerreiro
10 de dezembro de 2019

VIAGEM INESQUECÍVEL - O preço baratinho da passagem aérea pode se transformar num tremendo pesadelo

Todo viajante experimentado sabe que embarcar sem planejamento é um tremendo erro. Mas pior que isto é comprar passagens ou quartos de hotel só com base em ofertas de baixo custo. Por que tanta gente cai no erro? Talvez pela agradável sensação de se sentir esperto, e quem sabe, achar que está levando vantagem nas barganhas. Mas o barato sai caro.

Na empolgação, é comum passar por cima dos indicadores negativos – alguns muito evidentes – e cair em verdadeiras esparrelas que estragam a experiência. Como embarcar em voos intermináveis e cheios de conexões. Ou se hospedar em quartos que pareciam ótimos nas ilustrações, mas que se mostram desconfortáveis e barulhentos na prática.

AS DICAS

Para evitar estes enganos fatais eis algumas recomendações de viajantes experientes e profissionais do ramo.

Não existem passagens baratinhas – A aviação, como qualquer setor econômico, não opera sob milagres financeiros. Se o ticket custa muito menos do que devia, há algo no ar além de aviões. Ou é por causa de baixa demanda, ou porque o voo não é direto e requer mais tempo de percurso. Ou então porque a configuração do avião é tão apertada que se torna ideal para quem curte se sentir como sardinha em lata.

SARDINHA COM ASAS – É melhor ficar em casa do que pegar um voo barato, mas apertado e sufocante.

Na prática, além do adeus ao conforto, esta falsa cortesia nos preços pode significar horários inconvenientes, excesso de escalas e longas horas entre conexões. E quem tem tempo de férias para desperdiçar em desvios de rotas? Ou em horas perdidas de espera em aeroportos? Ou numa sequência de incômodos embarques e desembarques? Ou correr riscos de atrasos por problemas de manutenção e meteorológicos? Ou ainda, enfrentar eventual bagagem extraviada ou perdida durante conexão?

Desconfie de sites com diárias-pechincha – Pouca gente sabe que os hotéis pagam fortunas de até 50% de comissão sobre a reserva para “agências online” – tipo Expedia, Decolar, Hotel.com, Booking.com, entre outras. Só que nem todas são iguais e confiáveis. Por isto, cuidado com ofertas excessivamente generosas de sites pouco conhecidos. Por exemplo, muitos hoteleiros, para cobrar mais barato e compensar a baixa lucratividade, podem oferecer nestas condições os piores quartos, ou não aceitar cancelamentos. Felizmente esta não é a regra geral de mercado. No entanto, sempre há estabelecimentos que fazem isto porque acham que não têm muito a perder. Por via das dúvidas, se for possível evitar a intermediação, faça a reserva diretamente no site do próprio hotel. É mais seguro, e quem sabe até mais barato.

PESADELO PAGO – Ninguém merece se instalar em um hotel bem em conta, mas de gosto duvidoso.

Cuidado com ótimos hotéis a preço de ocasião – Um hotel de alto padrão e reputação não dá desconto nas diárias desproporcional à sua trajetória, assim sem mais nem menos. Se o preço parece bom demais para ser verdade, provavelmente há um gato escondido na tuba. Podem haver fatores como o estabelecimento estar em reformas, a piscina quebrada, o restaurante fechado, a rua da frente em obras, entre outras surpresas desagradáveis.

Não deixe a barganha controlar o itinerário – Atrás do mais barato, há sempre o perigo de se desviar do destino almejado. É o pior dos mundos, pois significa fazer uma viagem que não era a que se queria. Isto também ocorre quando as milhas acumuladas ditam a regra do lugar para onde voar, e não o contrário.

ESQUISITO, MAS BEM BARATO – Nem sempre uma oferta de ocasião leva o viajante a um bom lugar 

Fuja da arapuca das milhas – É comum entre os viajantes frequentes criar dependência de programas de recompensas. A oferta de promoções para aumentar o estoque de milhas se torna tão sedutora que a pessoa esquece que elas não se acumulam de graça. O forte apelo ao consumo (por vezes desnecessário) através do cartão de crédito para conquistar mais milhas esconde uma estratégia comercial muito bem engendrada.

Enfim, esta é uma guerra insana. A tentação é imensa, e diariamente somos bombardeados por irresistíveis barganhas para viajar. Se quiser sobreviver nesta guerra, não dê chances à impulsividade. Pense duas vezes antes de cair em ciladas. Se não der para ganhar a batalha, pelo menos é preciso sair dela com poucos arranhões.

BRIGA INGLÓRIA – Na luta da barganha contra os preços altos nas viagens vence quem se alia ao bom senso.

 

3 Comments

  1. Lucia Koury disse:

    Há dois dias acabei de escapar de uma arapuca. Recebi no instagram um post da passagem que eu estava procurando pela metade do preço. Ao ver os detalhes, percebi que o voo, que normalmente demoraria uma hora e meia para chegar, levaria 24 horas para alcançar o seu destino!,

    • Lucia, muita gente passa por isto. Diferente de navio de cruzeiro, que em geral leva voce de nada a lugar nenhum enquanto se distrai a bordo, nos avioes nao há o que fazer nem como se mexer. Por isto, quanto mais rapido voce cai fora melhor.

  2. Nello Gentile disse:

    Meus Parabens pela(s) materias.

    Não li ainda todas as materias mas aos poucos irei ler para me dar forças e continuar acreditando no turismo organizado, profissional e sustentavel.

    obrigado

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.