MALDIÇÃO DO CHEF ? Restaurante de hotel não tem que ser sinônimo de comida ruim em ambiente sem graça.
- Anúncios -
Compartilhe:

Houve um tempo que comer em restaurante de hotel que não fosse de luxo era o oposto de prazer. O local servia no máximo para saciar a fome de hóspedes cansados de viagem, apressados, ou sem interesse em buscar melhores opções gastronômicas externas.

Nada mais deprimente que comer em restaurante vazio onde clientes, atendentes e até moscas somem de vista

Mesas vazias. Garçons ociosos, não raro ausentes. Comida sem graça. Poucos e desinteressantes frequentadores. Música de elevador, quando alguma. Ambiente chato e deprimente. Este era, com raras exceções, o cenário desolador, capaz de aniquilar o apetite do mais esfomeado dos glutões.

Cenário deprimente

Este cenário, que ocorre na maioria dos hotéis, é bem diferente de outros mais sofisticados, no Brasil e exterior. Eles souberam dar vida própria e independência a seus restaurantes, e com isto transformá-los em ícones da gastronomia.

Restaurante do hotel Le Meurice, em Paris, com seu estilo clássico, é um dos 50 melhores do mundo

Mas na maioria absoluta dos hotéis, tanto midscale como econômicos, não é assim. De quem é a culpa desta inapetência crônica em investir em restaurantes de hotel?

Gestores apressados costumam justificar a decisão pela baixa frequência, quase sempre restrita aos hóspedes. Isto levaria a uma fórmula tóxica de custos altos com receitas baixas. Operação de prejuízo garantido, seria um mal necessário, mas indispensável para garantir uma alternativa de alimentação aos clientes.

Felizmente, a realidade começa a demonstrar o contrário. Sim, é possível ganhar dinheiro com alimentos e bebidas em hotéis. Um exemplo é o que ocorre na rede Accor. Basta dizer que hoje cerca de 30% das receitas mundiais provêm dos 10 mil restaurantes em seus 4200 hotéis no mundo.

Hora de reverter expectativas

Para reverter as expectativas pessimistas, é preciso quebrar uma série de regras até recentemente predominantes. Quem explica é Philippe Trapp, diretor da Accor e responsável pela implantação desta revolução de conceitos na rede, no Brasil e América do Sul.

O Gourmet Bar, com estilo contemporâneo, busca identidade com o hóspede executivo do Novotel

A meta é ambiciosa: assegurar que 70% dos frequentadores dos 250 restaurantes da Accor venham de fora, e apenas 30% sejam hóspedes. Para isto, há uma primeira medida, que soa como óbvia: todos precisam de acesso independente, sem precisar de atravessar a recepção.

No passado, diante do reduzido interesse em atrair clientes externos, isto não ocorria. Pelo contrário: os passantes sentiam-se desestimulados a frequentar restaurantes de hotéis, principalmente os instalados em áreas superiores ou que não tinham portas abertas para o lado externo do prédio.

O QCeviche, em São Paulo, é um restaurante que acompanha o estilo informal típico dos milleniails

Junto com o novo modelo estão surgindo marcas próprias de restaurantes da AccorHotels. Elas procuram se combinar com as diferentes categorias de públicos. Como o QCeviche, que capta a mesma irreverência do Ibis Styles. Ou o Gourmet Bar, voltado ao público executivo ou mais formal do Novotel.

Segundo Trapp, o perigo é resvalar no erro das cadeias hoteleiras de engessar fórmulas, cardápios e operações. Isto sufoca a criatividade, a inovação e a personalização. Elas devem ser preservadas e exclusivas para cada local: “Precisamos vender mais experiências, e menos padronização”.

Liberdade criativa

Para o executivo, a falta de flexibilidade não só aniquila a personalidade do local, como é responsável pela saída dos melhores chefs. Eles se cansam diante de tantas regras pré-estabelecidas. Na nova concepção, o cozinheiro tem a iniciativa e garantia de liberdade para fazer aquilo que melhor sabe.

Claro que há fatores que jamais podem ser abandonados. Como qualidade dos produtos e serviços, variedade dos pratos, conforto, segurança, ambientação, limpeza e higiene. Isto sem falar em maior flexibilidade nos horários de atendimento, algo que só hotéis permitem oferecer.

Na nova visão, restaurante não só um lugar para comer, mas também para convivência social

Para o sucesso da fórmula dos restaurantes com vida própria, Trapp destaca a importância de sempre ouvir o cliente, através de pesquisas. E algo muito importante: jamais perder de vista tendências de mercado. Ele dá um exemplo que ajuda a explicar o interesse da AccorHotels em restaurantes auto rentáveis:  “Com aplicativos como o UberEATS, quem melhor capacitado que os hotéis para suprir a qualquer hora este potencial de delivery? ”.

Compartilhe:
- Anúncios -
Artigo anteriorTORRE EIFFEL É PONTO MAIS FOTOGRAFADO
Próximo artigoComo São Paulo consegue prejudicar a aviação
Para quem não me conhece, sou Fabio Steinberg, carioca, administrador e jornalista. Trabalhei na área de comunicação de grandes multinacionais, e depois por conta própria como consultor. Um dia achei que estava na hora de me concentrar em escrever. Entre matérias jornalísticas e colunas, já falei sobre viagens e negócios, carreiras e comportamento, fiz resenha de livros e sempre que posso sobre tecnologia e como ela afeta o comportamento das pessoas. Ah, sim, também publiquei três livros e tenho um site com os meus principais textos. Até que resolvi juntar as pontas, da experiência profissional à paixão por temas tão fascinantes e diversificados, em um único caldeirão. Foi assim que nasceu este lugar. Através do jornalismo e experiencia pessoal, minha meta é compartilhar aqui idéias e informações. Espero que goste e volte sempre. Dividir este espaço com você e todos que aparecerem por aqui será não só gratificante, mas uma honra! Um abraço, Fabio Steinberg

3 COMENTÁRIOS

  1. Fábio
    Escreva uma matéria que sirva o averigue brasileiro a planejar e organizar uma viagem. Pais,local,hotel pousada b&b,época temperaturas clima,quantidade de roupa,meio de transporte,milhas,onde comer,uso do Googlessearch,,Whatsup,descontos,malas,aeroportos,cruzeiros,orçamento,pacotes,price performance,celular,sapatos e roupas confortáveis,levar o mínimo indispensável,seguro médico,upgrading,uso de checklist,evitar filas,kit de remédios,etc etc.
    Antes da viagem fazer a viagem vivendo cada instante, cada passo,até ver os cardápios e preços dos pratos escolhidos. Evitar surpresas.verificar horários de museus,comprar entradas de restrospecto ou shows.
    Mete a cara que vai dar um best seller
    Abraços
    Sami Leopold Goldstein

  2. Fábio
    Escreva uma matéria que sirva o averigue brasileiro a planejar e organizar uma viagem. Pais,local,hotel pousada b&b,época temperaturas clima,quantidade de roupa,meio de transporte,milhas,onde comer,uso do Googlessearch,,Whatsup,descontos,malas,aeroportos,cruzeiros,orçamento,pacotes,price performance,celular,sapatos e roupas confortáveis,levar o mínimo indispensável,seguro médico,upgrading,uso de checklist,evitar filas,kit de remédios,etc etc.
    Antes da viagem fazer a viagem vivendo cada instante, cada passo,até ver os cardápios e preços dos pratos escolhidos. Evitar surpresas.verificar horários de museus,comprar entradas de restrospecto ou shows.
    Mete a cara que vai dar um best

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here